CONVERSAS COM COTIDIANOS: COLONIALISMO, RESISTÊNCIA E INJUSTIÇA COGNITIVA EM ESCOLAS DE COMUNIDADE

Jeferson Maske de Oliveira, Patrícia Ferreira de Abreu

Resumo


Compreendendo a escola pública como lócus de formação humana e como espaço demarcado por embates políticos e culturais, o molde linear e hierarquizado das prescrições curriculares oficiais se manifesta na vida escolar dos sujeitos que a compõem de forma autoritária e classificatória, relegando para ramos desvalorizados os conhecimentos produzidos nos/dos/com os cotidianos. A modernidade trouxe consigo a concepção de um modelo epistemológico único, o que difere o conhecimento científico dos demais, subalternizando aquilo que é produzido no dia a dia e criando formas de desvalorização e injustiça cognitiva. A pesquisa objetiva, assim, investigar esses cotidianos invisibilizados pelo modelo hegemônico que rege os sistemas de ensino, delineando práticas curriculares emancipatórias que visem à igualdade e à justiça cognitiva entre os indivíduos. Contrapondo-se ao reducionismo, as pesquisas nos/dos/com os cotidianos nos trazem a impossibilidade de estabelecer um fim em si mesmo para as discussões apresentadas, mas oferecem caminhos para relações ecológicas entre conhecimentos visando a uma escola democrática e plural. 


Palavras-chave


Currículo. Cotidiano. Resistência. Justiça Cognitiva. Redes de conhecimentos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, N.; GARCIA, R.L. A necessidade da orientação coletiva nos estudos sobre cotidiano: duas experiências. In: BIANCHETTI, L.; MACHADO, A.M.N. (Org.). A bússola do escrever. São Paulo: Cortez; Florianópolis: UFSC, 2002. p. 255-296.

AUGÉ, M. Não-lugares. São Paulo: Papirus, 1994.

CANDAU, V.M. Ser professor/a hoje: novos confrontos entre saberes, culturas e práticas. Educação, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 33-41, jan./abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2017.

CERTEAU; M. de. A invenção do cotidiano:1, Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CINELLI, M. L.; GARCIA, A. Olhar sem ver: escolas invisíveis e currículos praticados. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 31., 2008, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPEd, 2008.

ESTEBAN, Maria Teresa. Avaliar: ato tecido pelas imprecisões do cotidiano. Disponível em: Acesso em: 15 abr. 2017.

FERRACO, C. E. Pesquisa com o cotidiano.Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 98, p. 73-95, jan./abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2017.

GARCÍA, Joaquim Torres. América Invertida (Imagem), 1935. Disponível em: Acesso em: 25 jun. 2017

GOHN, M. da G. (2002) Educação Popular na América Latina no novo milênio: impactos do novo paradigma; ETD- Educação Temática Digital,Campinas, v.4,n.1, , dez., p.53-77.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. Coleção: Experiência e Sentido.

MOREIRA, A. F. B. Neoliberalismo, currículo nacional e avaliação. In: SILVA, L. H. e AZEVEDO, J. C. (Orgs.): Reestruturação curricular: teoria e prática no cotidiano da escola. Petrópolis: Vozes, 1995

MORIN, Edgar.Os sete saberes necessários à educação do futuro. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

NAJMANOVICH, D. O sujeito encarnado: questões para pesquisa no/docotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

OLIVEIRA, I. B. Boaventura e a Educação. Belo Horizonte: Ed Autêntica, 2006.

________________. Currículos praticados: regulação e emancipação no cotidiano escolar. Disponível em Acesso em 15 jun. 2017.

OLIVEIRA, I.B.; ALVES, N. (orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas – sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et Alii, 2008.

SANTOS, B.S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estud., n.79, p.71-94, nov. 2007. Disponível em: Acesso em: 23 mar. 2017.

__________________. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1995.

__________________. A gramática do tempo:para um a nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

__________________. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SENNETT, Richard, 1943. O artífice. Rio de Janeiro: Record, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REVISTA COMMUNITAS

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

     Licença Creative Commons Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

REVISTA COMMUNITAS - ISSN: 2526-5970 - Publicação Semestral do Grupo de Pesquisas em Memórias, Identidades, Currículos e Culturas vinculado ao Centro de Educação e Letras da Universidade Federal do Acre.