LICENCIANDOS, FORMADORES E PROFESSORES DOS ANOS INICIAIS: DIÁLOGOS EM PRÁTICAS NO ESTÁGIO

Valéria Risuenho Marques

Resumo


Este artigo trata da formação inicial de professores e se propõe a discutir as potencialidades de interlocução entre atores da formação inicial e professores que atuam na formação continuada de professores alfabetizadores. Para tanto, apropria-se de uma concepção de formação na perspectiva da necessidade de saberes que coadunem a experiência, o conhecimento e os saberes pedagógicos. Como parte empírica, discute-se excertos de uma oficina realizada no âmbito da disciplina Estágio Temático, com ênfase na matemática, para uma turma de alunos do Curso de Licenciatura Integrada em Educação em Ciências, Matemática e Linguagens, do Instituto de Educação Matemática e Científica da Universidade Federal do Pará. Os excertos analisados indicam potencialidades do diálogo entre professores em formação inicial e professores que atuam na formação de professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental da Rede Pública Municipal de Belém.


Palavras-chave


Professores em Formação Inicial – Professores da Educação Básica – Saberes da docência

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: currículo na alfabetização: concepções e princípios. Brasília: MEC, SEB, 2012a.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: ludicidade na sala de aula

Brasília: MEC, SEB, 2012b.

BRIZUELA, Bárbara. Desenvolvimento matemático na criança: explorando notações. Porto Alegre: Artmed, 2006.

COSTA, L. de F. M. da. Vivências Autoformativas no Ensino de Matemática: vida e formação em escolas ribeirinhas. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal do Pará, Belém/PA, 2015.

COSTA, L.; LUCENA, I. Écouter, dialoguer, former et s’autoformer pour l’enseignement scolaire. In: Présences - Revue transdisciplinaire d’étude des pratiques psychosociales. Université du Québec à Rimouski, Vol. 10, p. 135-149, 2017. Disponível em: Acesso em: 28 jan 2018.

GOPNIK, Alison. Scientific Thinking in Young Children: Theoretical Advances, Empirical Research, and Policy Implications. Science 337, 1623 (2012).

LOPES, C. E. NACARATO, A. M. (Orgs.). Escritas e leituras na Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

MACHADO JÙNIOR, A.; GONÇALVES, T. Licenciatura Integrada em Educação em Ciências, Matemática e Linguagens da UFPA: memórias institucionais de um processo de implantação de curso. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemática. V.12 (24), p.115-139, Jan-Jul 2016.

MARQUES, V. R. Alfabetização Matemática: uma concepção múltipla e plural. Tese Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal do Pará, Belém/PA, 2016.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis -Volume 3, Números 3 e 4, pp.5-24, 2005/2006.

PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividades docentes. São Paulo: Cortez, 2002. (Coleção Saberes da Docência).

PARAHYBA, B.; GOLDSCHMIDT, A. Sabores docentes: relato reflexivo da experiência de estágio na construção da imagem docente. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemática, v.13 (26), p. 22-40, Jan-Jun 2017. Disponível em: Acesso em: 28/01/2018.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELÉM. Programa de Formação de Professores: sequência didática. Belém: SEMEC/ECOAR, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 REVISTA COMMUNITAS

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

     Licença Creative Commons Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

REVISTA COMMUNITAS - ISSN: 2526-5970 - Publicação Semestral do Grupo de Pesquisas em Memórias, Identidades, Currículos e Culturas vinculado ao Centro de Educação e Letras da Universidade Federal do Acre.