CIÊNCIA EM PRÁTICA: CURSO DE CAMPO, FORMAÇÃO DOCENTE E INCENTIVO À PESQUISA

Adriele Karlokoski, Franciélli Cristiane Gruchowski Woitowicz, Jucélia Iantas, Igor Oliveira

Resumo


A disciplina ecologia proporciona um aprendizado multidisciplinar ao aliar diferentes saberes e prismas sobre o fenômeno da vida. Ao mesmo tempo, cursos de campo atuam como uma proposta educacional com metodologia diferenciada de ensino, promovendo o contato com ambiente e permitindo aos participantes observar sua estrutura e complexidade. Considerando a importância de integrar a teoria e a prática em campo na formação docente, neste trabalho é apresentado um relato de um curso de campo desenvolvido com acadêmicos de um curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. São discutidos aspectos do desenvolvimento do curso demonstrando a importância do incentivo à pesquisa e como esse tipo atividade é edificante e fundamental na formação do educador biólogo ao instigar o espírito científico dos acadêmicos através da busca pelo desenvolvimento profissional como futuros docentes e pesquisadores.

Palavras-chave


Biologia, educação, docência, ecologia

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, M. L. F.; FRANÇA, T. L. A pesquisa na formação inicial de professores de biologia. Revista Polyphonía, v. 21, n. 1, p. 201-215, jan-jun. 2010.

BASTOS, F.; NARDI, R. Formação de professores e práticas pedagógicas no ensino de ciências: contribuições da pesquisa na área. 1ª edição. São Paulo: Escrituras, 2008.

BEREZUK, P. A.; MOREIRA, A. L. O. R. O trabalho de campo na formação docente: análise de um grupo de professores. Revista da SBEnBio, n. 7, p. 6422-6129, out. 2014.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 1ª edição. São Paulo: Cortez, 1993.

CERQUEIRA, S. V. S.; CARDOSO, L. R. Biólogo-professor: relação entre expectativas profissionais e concepções em torno da docência para licenciandos em ciências biológicas. Contexto & Educação, v. 25, n. 84, p. 143-160, jul-dez. 2010.

DOURADO, L. Trabalho prático (TP), trabalho laboratorial (TL), trabalho de campo (TC) e trabalho experimental (TE) no ensino das ciências: contributo para uma clarificação de termos. In: VERÍSSIMO, A.; PEDROSA, M. A.; RIBEIRO, R. (Coord.). Ensino experimental das ciências: (re)pensar o ensino das ciências. 1ª edição. Lisboa: Ministério da Educação. 2001. p. 13-18.

DOURADO, L. O trabalho de campo na formação inicial de professores de biologia e geologia: opinião dos estudantes sobre as práticas realizadas. Boletín das Ciencias, v. 19, n. 61, p. 1-17, 2006.

HODSON, D. In search of a meaningful relationship: an exploration of some issues relating to integration in science and science education. International Journal of Science Education, London, v. 14, n. 5, p. 541-562, 1992.

JUSTINA, L. A. D. Investigação sobre um grupo de pesquisa como espaço coletivo de formação inicial de professores e pesquisadores de biologia. 2011. 238 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru. 2011.

LUDKE, M.; CRUZ, G. B. Aproximando universidade e escola da educação básica pela pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, p. 81-109, mai-ago. 2005.

MAYR, E. Isto é biologia: a ciência do mundo vivo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MOREIRA, M. A. Tópicos em Ensino de Ciências. Porto Alegre: Sagra, 1991.

NAS-NAE-IOM (National Academy of Sciences, National Academy of Engineering, and Institute of Medicine).On being a scientist: a guide to responsible conduct in research. 3ª edição. Washington, DC: The National Academies Press, 2009.

NOVAES, M. J. S. O ensino de ecologia em um curso de licenciatura em ciências biológicas em educação a distância: limites e possibilidades. 2016. 197 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores) - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié. 2016.

PECHLIYE, M. M.; TRIVELATO, S. L. F. Sobre o que os professores de ecologia refletem quando falam de suas práticas. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 85-100, mai-ago. 2005.

PEREIRA, A. B.; PUTZKE, J. Proposta metodológica para o ensino de botânica e ecologia. 1ª edição. Porto Alegre: Sagra, 1996.

RIOS, T. A. A ética na pesquisa e a epistemologia do pesquisador. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 12, n. 19, p. 80-86, out. 2006.

RODRIGUES, A. B.; OTAVIANO, C. A. Guia metodológico de trabalho de campo em geografia. Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan-jun. 2001.

SCHWANTES, J. et al. O trabalho em campo e o ensino de botânica no curso de graduação em biologia: um estudo preliminar. Revista da ULBRA, (s/n). 2007.

SOUZA, D. A.; MENDES, R.; PALÁCIO, T. C. G. Aula de campo como metodologia de ensino para professores em formação: estudo de caso numa disciplina sobre ensino de ecologia e biodiversidade. Revista da SBEnBio, n. 9, p. 5412-5421, 2016.

TESSER, G. J. Principais linhas epistemológicas contemporâneas. Educar em Revista, Curitiba, n. 10, p. 91-98, jan-dez. 1995.

VIANA, G. M.; et al. Relações entre teoria e prática na formação de professores: investigando práticas sociais em disciplina acadêmica de um curso nas ciências biológicas. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 28, n. 4, p. 17-49, dez. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 REVISTA COMMUNITAS

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

     Licença Creative Commons Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

REVISTA COMMUNITAS - ISSN: 2526-5970 - Publicação Semestral do Grupo de Pesquisas em Memórias, Identidades, Currículos e Culturas vinculado ao Centro de Educação e Letras da Universidade Federal do Acre.