AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DAS COMUNIDADES CANDOMBLECISTAS AFRO-BRASILEIRAS

Eleno Marques de Araújo

Resumo


O presente texto constrói uma teia significativa e bibliográfica sobre a etnografia conceitual das vivências de mundo usados pelos candomblecistas que através de elementos potenciais e significativos como ancestralidade, natureza, oralidade, danças, entre outros, constroem seus conhecimentos. São conhecidos como povos culturais tradicionais, e seu veículo base de aprendizagem é a oralidade. Quando utilizados nas práticas educativas de seus iniciados após confirmação pelos jogos de búzios “consulta de significados orais ancestrais”, ocorre o início da formação humana e pedagógica candomblecista. Não dicotomizaremos a presença da escrita nesta pesquisa, apesar de encontrarmos relatos da sua existência como método de fixação pedagógica. Este ensaio é resultado também de uma observação in loco realizada em um terreiro de Ketú, município de Jaboatão dos Guararapes/Pe. Corroboram ainda com esta temática candomblecistas, documentários, livros e artigos. À luz das ordenações esclarecedoras de Boaventura de Sousa Santos (2009), em sua pesquisa Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes, onde aponta formas de cristalizar as epistemologias monoculturais e hegemônicas que, ao acessar pensamentos multiculturais neste caso uma “pedagogia candomblecista” o aprender a aprender vai para além da relação “coisificada”, visa a linha pós-abissal. Entretanto, a educação contemporânea desenvolve a linguagem dinâmica em suas práticas pedagógicas, com teorias e metodologias que contemple educador/educando. A Aprendizagem Significativa criada por David Ausubel (2000) utiliza organizadores prévios para estruturar os processos de novas informações que irão se estabelecerem e formarem novos saberes dentro de uma perspectiva onde as peças bases serão: a disponibilidade do aluno/abiã em querer passar pelos processos de aprendizagem e o material pedagógico que terá que ser de alta complexidade sendo potencialmente significativo. Aprendizagem sendo significativamente na sua formação tornará crítico, autônomo, pesquisador, anunciando a teoria de David Ausubel para o século XXI como uma proposta transformadora amplificando sua concepção para uma aprendizagem com significados.

Palavras-chave


Aprendizagem significativa. Epistemologia do Sul. Candomblé.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Paralelo,1999.

BOURDIEU. P. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Quilombola na Educação Básica. Brasília: MEC/SECADI, 2012.

BRANDÃO. A. P. Modos de Fazer: caderno de atividades, saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010. p.18.

BÂ. A. H. A tradição viva. In: História Geral da África, I metodologia e pré-história da África. Editado por Joseph Ki-Zerbo. São Paulo: Ática/UNESCO. 1982. p. 172.

CAPUTO. G. S. Aprendendo yorubá nas redes educativas dos terreiros: história, culturas africanas e enfrentamento da intolerância nas escolas. Revista Brasileira de Educação v. 20 n. 62 jul-set. 2015. p. 778.

CAPUTO. G. S; PASSOS. M. Cultura e conhecimento em terreiros de candomblé – lendo e conversando com Mãe Beata de Yemonjá. Disponível em: . v. 7, n. 2. Acessado em: <01/04/2018>. p.6

CANCLINE. N. G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução Heloisa P. Cintrão e Ana R. Lessa, 2. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

CONCEIÇÃO. L.A.A. A pedagogia do candomblé: Aprendizagens, ritos e conflitos. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade do Departamento de Educação da UNEB. Disponível em: . Acessado em:<01/04/2018>.

FOLHAS ENCANTADAS. Direção: Antonello Veneri e Stefano Barbi. Produção: Alessandra Veneri. Tradições culturais brasileiras. 2016. Disponível em: Acessado em: < 04/04/2018>

GADOTTI, M.; ROMÃO, J. E. Paulo Freire e Amílcar Cabral: a descolonização das mentes. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2012.

GOMES, N.L. (org.) Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei nº 10.639/03. Brasília: Editora Brasília, 2012.

__________. Transversalidade Emancipatória da África. Disponível em: . Acessado em: <19/08/2016>.

GEERTZ. C. A Interpretação da Cultura. Rio de Janeiro: Guanabara Kogam, 1989.

GISÈLE OMINDEREWA. Direção: Clarice Ehlers Peixoto. Produção: Da terra produtos culturais. 2009. Disponível em: acessado em: <05/04/2014>.

KOCHHANN, A.; MORAES. A. C. Aprendizagem Significativa na perspectiva de David Ausubel. Anápolis: UEG, 2014.

MOREIRA. A. M. ; MASINI. E. S. F. Aprendizagem Significativa: a teoria de Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982

MOREIRA. A. M.. Aprendizagem Significativa Critica. Disponível em Acessado em: <03/04/2018>.

____________. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. Disponível em: Acessado em: 03/04/2018>.

MUNANGA. K. O povo negro. São Paulo: USP, 95/96.

NOGUERA. R. Ubuntu como modo de existir: Elementos gerais para uma ética afroperspectivista. Revista da ABPN. v. 3, n. 6. nov. 2011 – fev. 2012.

NOVAK, J. D.; CANÃS. J. A. A teoria subjacente aos mapas conceituais e como elaborá-los e usá-los. Disponível em: . Acessado em: <01/04/2018>.

PREVITALLI. I. M. Tradição oral e novas tecnologias no candomblé da metrópole. Revista Brasileira das Religiões. ANPUH, ano VII, n.20, Set. Disponível em: Acessado em: <04/04/2018>.

OLIVEIRA. A; ALMIRANTE. K. A. Aprendendo com o Axé: processos educativos no terreiro e o que as crianças pensam sobre ele e a escola. Disponível em: . Acessado em: <01/03/2018>.

SANTOS. B. S. ; MENESES. M. P. Epistemologia do Sul. Coimbra: Edições Coimbra, 2009.

SOUZA. S. P. Educação Escolar Quilombola: as pedagogias quilombolas na construção curricular. Dissertação de Mestrado – UFBA, Faculdade de Educação, programa de Pós-graduação, Salvador, 2015.

TRINDADE. A. L. Valores Civilizatórios Afro-brasileiros para a Educação Infantil. Disponível em: Acessado em: <03/04/2018>.

VALLADO. A. Lei do Santo: poder e conflito no candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2010.

VERGER. P. F. Orixás. Salvador: Currupio. 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 REVISTA COMMUNITAS

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

     Licença Creative Commons Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

REVISTA COMMUNITAS - ISSN: 2526-5970 - Publicação Semestral do Grupo de Pesquisas em Memórias, Identidades, Currículos e Culturas vinculado ao Centro de Educação e Letras da Universidade Federal do Acre.