AS MUTAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E A (CON)FORMAÇÃO DO JOVEM TRABALHADOR

Cilson César Fagiani, Fabiane Santana Previtali

Resumo


No contexto neoliberal já da segunda década do século XXI, tem-seo aprofundamento reestruturação produtiva do capitalna esfera das relações intercapitalistas e do Estado com consequências nefastas para o conjunto dos trabalhadores. As novas gerações são ainda mais afetadas pelas mutações domundo do trabalho. A sua entrada no mercado de trabalho é feita em um contexto de flexibilidade nas práticas de gestão e emprego, do impacto crescente das novas tecnologias de informação e comunicação (TCIs) e exigência de novas habilidades e qualificações, da ruptura dos coletivos de trabalho e ascensão de formas cada vez mais individualizadas, bem como de declínio das leis trabalhistas e da seguridade social. Nesse cenário o sistema educativo vem se colocando como forte aliado do capital na formação a-crítica e instrumentalizadadesses jovens para o mercado de trabalho sob a promessa de empregabilidade e formação “totalizante”, construindo um novo consenso fundado inexorável e (i)lógica necessidade de adaptação e submissão às tendências em curso.


Palavras-chave


Trabalho; Educação; Qualificação Profissional; Reestruturação Produtiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. “A Classe Trabalhadora Hoje e a Nova Morfologia do Trabalho: informalidade, infoproletariado, imaterialidade e valor”, IN: Varela, R. (coord). A Segurança Social é Sustentável. Lisboa: Bertrand Editora. 2013. p. 337-362.

ATKINSON, J. "The Changing Corporation", In: CLUTTERBURCK (Ed). New Patterns of the Work. Aldershot: Gower. 1985.

ATKINSON, J. Flexibility or fragmentation? The United Kingdom labour market in the eighties. Labour and Society. Vol. 12. N. 1. 1987. p.87-105.

DINHEIRO VIVO. Taxa de Desemprego na Europa em Novembro. Disponível em: http://www.dinheirovivo.pt/Graficos/Detalhe/CIECO150428.html. Acesso em 14 de mai. 2014.

ENSINO SUPERIOR. Apenas 15% dos brasileiros estão no ensino superior. Disponível em:

http://www.revistaensinosuperior.com.br/um-panorama-educacao-brasileira/. Acesso em 15 de Jan. 2018.

FAGIANI, C. C; FRANÇA, R. L. DE. Cultura material escolar e escolar na formação do trabalhador e formação para o trabalho. XI Jornada do Histebr – A Pedagogia Histórico-Crítica, a Educação Brasileira e os desafios de sua institucionalização

-25 de outubro de 2013. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/jornada/jornada11/anais.html. Acesso em 10 de Jan. 2018.

FAGIANI, C. C., PREVITALI, F. S.A nova configuração da classe trabalhadora no século XXI: qualificação e precarização. Revista Ciências do Trabalho. Vol. 3. 2014. p.53 – 67.

HOOD, C. The “New Public Management” in the 1980s: Variations on a theme, In: Accounting, Organizations and Society, Vol. 20, No. 2/3, p. 93-109.1995.

HUWS, U. Working online, living offline: labour in the Internet Age. In:Work Organisation, Labour &Globalization. Vol. 7, N. 1, Summer, 2013. Pp: 1 – 11.

INTERNATIONAL LABOUR OFFICE (ILO). Global Employment Trends for Youth 2013: A generation at risk. Disponível em: http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/documents/publication/wcms_212423.pdf . Acesso em 16. Jan. 2014.

INTERNATIONAL LABOUR OFFICE (ILO). Global Employment Trends 2014. Disponível em: http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_233953.pdf . Acesso em 16. Jan. 2014.

INTERNATIONAL LABOUR OFFICE (ILO). Global Employment Trends for Youth 2017: Paths to a better working future/International Labour Office ‐ Geneva: ILO, 2017.

Disponível em: http://www.ilo.org/global/publications/books/global-employment-trends/WCMS_600465/lang--pt/index.htm. Acesso 10 de fevereiro de 2018.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. In: Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, jan./jun. 2001. p 9-43.

NUNES, D. Na escravidão o trabalhador era vendido. Naterceirização, é alugado. Entrevista com Ricardo Antunes.CARTA CAPITAL. Publicado em 17/05/2017. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/201cna-escravidao-o-trabalhador-era-vendido-na-terceirizacao-ele-e-alugado201d. Acesso em: 9 de Fev. 2018.

PREVITALI, F. S.; FAGIANI, C. C.A vingança do capital sobre o trabalho no século XXI: precarização e perda de direitos no mundo. XXX Congresso ALAS Costa Rica 2015. Pueblos en movimiento: un nuevo diálogo en las ciencias sociales. 29 de noviembre al 4 de diciembre del 2015. Disponível em:

http://sociologia-alas.org/congreso-xxx/ponencias/. Acesso em: 10 de Jan. 2018.

SEGNINI, L. R. P. Planos de Demissão Voluntária: do sonho de liberdade à vivência do desemprego e do trabalho precário. In: HIRATA, H.; SEGNINI, L. (Orgs.) Organização, trabalho e gênero. São Paulo: Editora Senac. 2007.

VIDAL, D. Cultura e Práticas Escolares: uma reflexão sobre documentos e arquivos escolares, In: SOUZA, R.; VALDEMARIN, V. T. (Orgs). A Cultura Escolar em Debate: questões conceituais, metodológicas e desafios para a pesquisa. Campinas/SP: Autores Associados. 2005. p 3-30.

VIÑAO FRAGO, A. El espacio y el tiempo escolares como objeto histórico. Contemporaneidade e Educação, ano V, n. 7, 1. 2000. Sem/2


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 REVISTA COMMUNITAS

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

     Licença Creative Commons Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

REVISTA COMMUNITAS - ISSN: 2526-5970 - Publicação Semestral do Grupo de Pesquisas em Memórias, Identidades, Currículos e Culturas vinculado ao Centro de Educação e Letras da Universidade Federal do Acre.