ENSINAR-APRENDER COM AS TECNOLOGIAS DIGITAIS EM REDE: A SALA DE AULA INVERTIDA (SAI) EM DEBATE

Janaina Magalhães dos Reis Elias, Dilton Ribeiro Couto Junior, Felipe da Silva Ponte de Carvalho

Resumo


Fruto de pesquisa bibliográfica recentemente concluída, este texto buscou analisar os desafios e perspectivas da Sala de Aula Invertida (SAI). Dentre as novas propostas pedagógicas, a SAI tem como diferencial a responsabilidade do aluno pelo estudo teórico, utilizando o tempo de aula presencial para trabalhar de forma prática os conceitos previamente estudados. Esse modelo educacional constitui em uma proposta inovadora de ensino, no entanto, para que seja bem desenvolvido, é essencial que a escola, os estudantes e seus professores estejam dispostos a ressignificar metodologias tradicionais de ensinar-aprender. Concluímos que a SAI pode servir de inspiração para a escola (re)pensar antigas práticas pedagógicas que ainda insistem em valorizar a “transmissão de conhecimento”, acompanhando os avanços tecnológicos da contemporaneidade, tornando a aprendizagem mais próxima da realidade dos estudantes e, consequentemente, mais motivadora.


Palavras-chave


Sala de aula invertida; Ensino híbrido; Aprendizagem ativa

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. C. F; SOUZA, P. R. Modelos de rotação do ensino híbrido: estações de trabalho e sala de aula invertida. Revista E-Tech, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 3-16, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

ARANHA FILHO, F. J. Sala de aula invertida. Ensino Inovativo, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 14-17, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

BACICH, L.; MORAN, J. Aprender e ensinar com foco na educação híbrida. Revista Pátio, n. 25, p. 45-47, jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Flip your classroom: reach every student in every class every day. Washington: International Society for Technology in Education, 2012.

BOLLELA, V. R.; CESARETTI, M. L. R. Sala de aula invertida na educação para as profissões de saúde: conceitos essenciais para a prática. Revista Eletrônica de Farmácia, Goiás, v. 14, n. 1, p. 39-48, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

BONILLA, M. H. S. Escola aprendente: comunidade em fluxo. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção (Org.). Cibercultura e formação de professores. Belo Horizonte: Autentica, 2009, p. 23-40.

BRANCO, C. C.; ALVES, M. M. Complexidade e sala de aula invertida: considerações sobre o método. In: XII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Anais... Santa Catarina: PUCPR, 26 a 29 de outubro de 2015.

CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; STAKER, H. Ensino Híbrido: uma Inovação Disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2017.

COUTO, E. A infância e o brincar na cultura digital. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 3, p. 897-916, set./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

COUTO JUNIOR, D. R. Cibercultura, juventude e alteridade: aprendendo- ensinando com o outro no Facebook. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

FERREIRA, H. M. C. Dinâmicas de uma juventude conectada: a mediação dos dispositivos móveis nos processos de aprender-ensinar. 2014. 272f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

FLN. Flipped Learning Network. Definition of flipped learning. 2014. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 54. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

GIRARDELLO, G. Produção cultural infantil diante da tela: da TV à internet. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11-12, p. 1-12, jan./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

GOMES, D. F. M. A prática pedagógica do professor de administração: um estudo por meio da metodologia da problematização. 2007. 218f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

KHAN, S. Vamos usar o vídeo para reinventar a educação. 2011. Disponível em . Acesso em: 11 ago 2017.

KOLB, D. Experiential learning. New Jersey: Prentice Hall, 1984.

KOVACH, J. V. Leadership in the Classroom. Journal For Quality & Participation, v. 37, n. 1, p. 39-40, 2014.

LAGE, M. J.; PLATT, G. J.; TREGLIA, M. Inverting de Classroom: A Gateway do Creating Inclusive Learning Environment. 2000. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2017.

LANKENAU, M. Aula Invertida. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2017.

LEMOS, A. Os sentidos da tecnologia: cibercultura e ciberdemocracia. In: LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010, p. 21-31.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.

LIMA, R. V. G.; HOLANDA, M. J. Uma breve discussão sobre a metodologia da aula invertida: possibilidades e desafios. Revista Filosofia Capital, v. 11, p. 99-111, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

MARIN, M. J.; et al. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 34, n. 1, p. 13-20, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

MARINHO, S. P.;TÁRCIA, L.; ENOQUE, C. F. O. VILELA, R.A.T. Oportunidades e possibilidades para a inserção de interfaces da Web 2.0 no currículo da escola em tempos de convergências de mídia. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 1-28, jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

MAZUR, E. Can We Teach Computers to Teach? 1991. Disponível em: . Acesso em: 18 AGO. 2017.

MOFFETT, J. Twelve tips for “flipping” the classroom. Med Teach, v. 37, n. 4, p. 331-6, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

MORAN, J. Novos modelos de sala de aula. Revista Educatrix, n. 7, p. 33-7, 2015.

PRETTO, N. L.; RICCIO, N. C. R. A formação continuada de professores universitários e as tecnologias digitais. Educar em Revista, Curitiba, n. 37, p. 153- 169, maio/ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

RIBEIRO, M. R. F.; CARVALHO, F. S. P.; SANTOS, R. Ambiências híbridas-formativas na educação online: desafios e potencialidades em tempos de cibercultura. Revista Docência e Cibercultura, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 1-13, jan./abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

RIOS, M. D. R. Sala de aula invertida: uma abordagem pedagógica no ensino superior no Brasil. 2017. 169f. Dissertação (Mestrado em Tecnologias, Comunicação e Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.

RODRIGUES, C. S.; SPINASE, J. F.; VOSGERAU, D. S. R. Sala de Aula Invertida: uma revisão sistemática. In: XII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Anais... Santa Catarina: PUCPR, 26 a 29 de outubro de 2015.

SANTAELLA, L.; LEMOS, R. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTOS, E. Formação de professores e cibercultura: novas práticas curriculares na educação presencial e a distância. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 11, n. 17, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

SANTOS, E.; CARVALHO, F. S. P.; PIMENTEL, M. Mediação docente online para colaboração: notas de uma pesquisa-formação na cibercultura. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, v. 18, n. 1, p. 23-42, jan./abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

SCHMITZ, E. X. S. Sala de aula invertida: uma abordagem para combinar metodologias ativas e engajar alunos no processo de ensino-aprendizagem. 2016. 187f. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Educacionais em Rede) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016.

SCHNEIDER, E. I. et al. Sala de Aula Invertida em EAD: uma proposta de Blended Learning. Revista Intersaberes, v. 8, n. 16, p. 68-81, jul./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

SHIMAMOTO, D. Implementing a flipped classroom: An instructional module. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2017.

SUHR, I. R. F. Desafios no uso da sala de aula invertida no ensino superior. Revista Transmutare, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 4-21, jan./jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

TREVELIN, A. T.; PEREIRA, M. A. A.; OLIVEIRA NETO, J. D. A utilização da “sala de aula invertida” em cursos superiores de tecnologia: comparação entre o modelo tradicional e o modelo invertido “flipped classroom” adaptado aos estilos de aprendizagem. Revista de Estilos de Aprendizagem, Utah, v. 11, n. 12, p. 1-14, out. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

VALENTE, J. A. A crescente demanda por trabalhadores mais bem qualificados: a capa¬citação para a aprendizagem continuada ao longo da vida. In: VALENTE, J.A.; MAZ¬ZONE, J.; BARANAUSKAS, M.C.C. (Org.). Aprendizagem na era das tecnologias digitais. São Paulo: Cortez: FAPESP, 2007.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, n. 4, p. 79-97, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 REVISTA COMMUNITAS

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

     Licença Creative Commons Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

REVISTA COMMUNITAS - ISSN: 2526-5970 - Publicação Semestral do Grupo de Pesquisas em Memórias, Identidades, Currículos e Culturas vinculado ao Centro de Educação e Letras da Universidade Federal do Acre.