IDENTIDADE E IMAGINÁRIO RIBEIRINHO A REINVENÇÃO DOS PAPÉIS SOCIAIS A PARTIR DA ESCOLARIZAÇÃO IMPROVISADA EM PRÁTICAS HETERODOXAS

Cleidison De Jesus Rocha

Resumo


Este estudo intenta, a partir de múltipla fundamentação teórica, apresentar a realidade educacional do Alto Juruá, antes da implantação da Reserva Extrativista, que se deu em práticas heterodoxas, com a iniciativa dos moradores em transferir, para professoras leigas, o trabalho formativo dos filhos. Esse contexto, apresentado em sua congênita dimensão barroca e coreografado em luzes e sombras, abriga em seu cerne antagônicas realidades, prefigurada já a partir de uma natureza exuberante, tecida e destecida por fascínios excepcionais e indisfarçáveis abismos. A escolarização improvisada dos ribeirinhos deu conta, paulatinamente, com o protagonismos de mulheres/professoras, de imprimir condições de possibilidades de reinventar os papéis sociais, de modo a garantir, mesmo com a negação do papel do Estado, a produção de resultados satisfatórios em termos de acesso ao conhecimento e às condições dele decorrente, como emprego, renda, posição social e autonomia de gênero e cidadania.    O estudo coleta narrativas sobre o processo de ensinar e aprender, sobre os itinerários percorridos no interior da floresta em direção à escola/luz, bem como os desdobramentos produzidos pela escola improvisada em práticas heterodoxas.

Palavras-chave


IMAGINÁRIO; ESCOLARIZAÇÃO; PAPEIS SOCIAIS

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS:

KANT, Imannuel. Resposta à pergunta: “Que é esclarecimento”? In: Textos Seletos. Petrópolis: Vozes, 1985.

UCHOA, J. M. S. Narrativas de profesores em formaç~çao sobre a didatiação de podcasts para o ensino de inglês na floresta. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Acre. Departamento de Letras. Programa de POós Graduação em Estudos Linguísticos. Natal, 2014.

GLISSANT, Edouard. Introdução a uma poética da diversidade. Juiz de Fora: Editora UFJR, 2005.

OLIVEIRA, Amarílio S. O Programa Asas da Florestania/Fundamental como varadouro de mão dupla: encurtando caminos entre governo, escola e povos da floresta. (Dissertação de Mestrado). Mestrado em Letras: Linguagem e Identidade. Universidade Fderal do Acre. Rio Branco, 2016.

LIMA, Maria Aldecy R. Retratos, Imagens, Letras e Números colados nas paredes: representações sociais de escola para ribeirinhos do Rio Moa e Azul-AC. Rio Branco: EDUFAC, 2012.

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Cultura Amazônia: uma poética do imaginário. São Paulo: Escrituras Ed., 2001.

SOARES, Henrique Silvestre. Do outro lado do rio. Peça Teatral. Mineo. Rio Branco, 1997.

SOBRINHO, Pedro Vicente. Capital e trabalho na Amazônia. Ed. Cortez: São Paulo, 1992.

ROCHA, Cleidson de Jesus. Elas continuam lá: a invenção da escola ribeirinha como uma construção feminina. I Encontro de Representações Sociais. Universidade Federal do Amazonas. Manaus-AC, 2007.

LIMA, Elane Correia. A nova condição feminina: as mulheres do seringal. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2001.

RANGEL, Alberto. Inferno verde: scenas e scenários do Amazonas. São Paulo: Arrault, 1929.

HARDMAN, Francisco Foot. A vingança da Hileia: Euclides da Cunha, a Amazônia e a literatura moderna. São Paulo: Editora UNESP, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 REVISTA COMMUNITAS

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

     Licença Creative Commons Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

REVISTA COMMUNITAS - ISSN: 2526-5970 - Publicação Semestral do Grupo de Pesquisas em Memórias, Identidades, Currículos e Culturas vinculado ao Centro de Educação e Letras da Universidade Federal do Acre.