PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA TUBERCULOSE NA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO, ACRE - BRASIL (2014 A 2016).

Eufrasia Santos Cadorin, Luís Eduardo Maggi

Resumo


A Tuberculose é um agravo prioritário na saúde pública por ser uma doença negligenciada no Brasil e no mundo, situando-se entre as 10 principais causas de mortalidade no mundo e estando relacionada a desigualdades sociais, o que torna a população em situação de rua, mais vulnerável ao agravo. O artigo analisa o perfil epidemiológico da Tuberculose na população em situação de rua no município de Rio Branco - Acre, no período de 2014 a 2016. Trata-se de um estudo transversal de abordagem quantitativa desenvolvido a partir da análise do banco de dados do Sistema de Informações de Notificação Compulsória (Sinan NET). No período em análise foram notificados 18 casos de Tuberculose na população em situação de rua cadastrada no Sistema, com incidência de 5.980 casos a cada 100 mil hab. e prevalência de 1,3, taxa de mortalidade de 0,12 e coinfecção HIV/TB DE 5,6% da população. Foi possível observar a existência de subnotificação dos casos e a dificuldade de acompanhamento e tratamento dos casos identificados, seguindo o protocolo de tratamento da doença, sendo necessário desenvolver estratégias de enfrentamento mais efetivas na rede pública para o controle e redução do agravo nessa população.

Palavras-chave: Tuberculose; Análise; População de rua.

Texto completo:

PDF

Referências


. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departa-mento de Apoio à Saúde da população em situação de rua: um direito humano/Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Ges-tão Participativa. - Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_populacao_situacao_rua.pdf, [acesso 24 de jul 2017].

. SAN PEDRO, A.; OLIVEIRA, R. M. Tuberculose e indicadores socioeconômicos: revi-são sistemática da literatura. Rev Panam Salud Publica, v. 33, n. 4, p. 294-301, 2013.

. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Global tuberculosis report 2016. WHO. Disponível em: http://www.who.int/tb/publications/global_report/gtbr2016_main_text.pdf?ua=1, [acesso em 13 de jul 2017]

. PEREIRA, G. L. A.; MEDRONHO, R. A.; ESCOSTEGUY, C. C.; VALENCIA, L. I. O.; MAGALHÃES, M. A. F.M. Distribuição espacial e contexto socioeconômico da tuber-culose, Rio de Janeiro, Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 49, n. 48, p. 1-9, 2015.

. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vi-gilância Epidemiológica. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Bra-sil/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. - Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil.pdf, [acesso 11 de jul 2017].

. ADORNO, R. de C. F.; VASCONCELOS, M. da P. C.; ALVARENGA, A. T. de. Saúde Pública, Ciências Sociais e as Chamadas Populações Vulneráveis. ROCHA, A. A.; CESAR, C. L. G.; RIBEIRO, H. Saúde Pública: bases conceituais. 2 ed. - São Paulo: Edito-ra Atheneu, 2013.

. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a orga-nização da atenção básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Ministério da Saúde, Departamento de Atenção Básica. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/registro/Portaria_n__2_488__de_21_de_outubro_de_2011/120, [acesso 08 de dez 2016].

. BRASIL. Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Sumário Executivo. Meta Instituto de Pesquisa de Opinião. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - 2008. Disponível em: http://aplicacoes.mds.gov.br/sagi/PainelPEI/Publicacoes/Pesquisa%20Nacional%20sobre%20a%20População%20em%20Situação%20de%20Rua.pdf, [acesso 20 de jul 2017].

. BRASIL. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Disponível em: http://cnes2.datasus.gov.br/Lista_Es_Municipio.asp?VEstado=12&VCodMunicipio=120040&NomeEstado=ACRE, [acesso 13 de jul 2017].

. BRASIL. Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - 2008. [acesso em: 20 jul 2017]. Disponível em: http://aplicacoes.mds.gov.br/sagi/PainelPEI/Publicacoes/Pesquisa%20Nacional%20sobre%20a%20População%20em%20Situação%20de%20Rua.pdf

. FESKE, M. L.; TEETER, L.D.; MUSSER, J. M.; GRAVISS, E. A. Counting the Homeless: A Previously Incalculable Tuberculosis Risk and Its Social Determinants. American Journal of Public Health, v. 103, n. 5, p. 839-848, 2013.

. BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde. Boletim Epidemi-ológico. Volume 46 N° 9 - 2015. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/marco/25/Boletim-tuberculose-2015.pdf, [acesso 17 de jul 2017].

. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sistema nacional de vigilância em saúde: relatório de situação: Acre - 5. ed. - Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_cuidado_populalcao_rua.pdf, [acesso 17 de jul 2017].

. RANZANI, O. T.; CARVALHO, R. R. C.; WALDMAN, E. A.; RODRIGUES, L. C. The impact of being homeless on the unsuccessful outcome of treatment of pulmonary TB in São Paulo State, Brazil. BMC Medicine. v. 14, n. 41, p. 1-13, 2016.

. BRASIL. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. 2016. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/janeiro/03/site-svs-principais-indicadores-tuberculose-2016.pdf, [acesso 11 de jul 2017].

. HADDAD, M.B.; WILSON, T. W.; IJAZ, K.; MARKS, S.M.; MOORE, M. Tuber-culosis and homelessness in the United States, 1994-2003 JAMA, June 8. v. 293, n. 22, p. 2762-2766, 2005.

. SOUZA, E. S. População em Situação de Rua e Tratamento Diretamente Observado (TDO) para Tuberculose (TB) - A Percepção dos Usuários. (Dissertação) Mestrado em Sa-úde Pública. Universidade de São Paulo (São Paulo), 2010.

. MARKS, S. M.; MAGEE, E.; ROBISON, V. Patients diagnosed with tuberculosis at death or who died during therapy: association with the human immunodeficiency virus. The International Journal of Tuberculosis and Lung Disease: The Official Journal of the Interna-tional Union against Tuberculosis and Lung Disease. v. 15, n. 4, p. 465-470, 2011.

. GUIMARÃES, R. M.; LOBO, A.P.; SIQUEIRA, E. A.; BORGES, T. F.F.; MELO, S. C. C. Tuberculose, HIV e pobreza: tendência temporal no Brasil, Américas e mundo. J Bras Pneumol. v. 38, n. 4, p. 511-517, 2012.

. ADAMU, L. A.; GADANYA, M. A.; ABUBAKAR, I. S.; JIBO, A. M., BELLO, M. M.; GAJIDA, A. U. et al. High mortality among tuberculosis patients on treatment in Nigeria: a retrospective cohort study. BMC Infectious Diseases BMC series - open, inclusive and trusted201717:170. v. 17, n. 170, p. 01-11, 2017.

. CECCON, R. F.; MAFFACCIOLLI, R.; BURILLE, A.; MENEGHEL, S. N.; OLIVEIRA, D. L. L. C.; GERHARDT, T. E. Mortalidade por tuberculose nas capitais bra-sileiras, 2008-2010. Epidemiol. Serv. Saúde. v. 26, n. 2, p. 349-358, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.