COMPORTAMENTO DE RISCO DOS SERVIDORES UNIVERSITÁRIOS

Priscila Paduan Rigamonte, Patrícia Ferreira Carvalho, Pascoal Torres Muniz, Orivaldo Souza

Resumo


Objetivo: Descrever o comportamento de risco de servidores técnicos universitários, do município de Rio Branco, Acre. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, desenvolvido com 312 servidores técnicos da Universidade Federal do Acre. Questionário semi-estruturado com perguntas referentes aos aspectos sócio demográficos, prática de atividade física, etilismo, tabagismo, auto percepção de saúde e características de trabalho. Informações sobre medidas antropométricas do peso e estatura foram coletadas. Os dados foram tabulados e analisados utilizando os softwares estatísticos Epi-info v. 6.0 e SPSS v.13, respectivamente. Resultados: Maior adesão a prática de atividade física foi identificado no sexo masculino (73,6%). Os servidores técnicos com grau de instrução pós-graduado mostraram 40,7% de ativos na prática de atividade física. Dos trabalhadores técnicos que eram sedentários foi observado que 34,7% consideravam a sua saúde como regular ou ruim. A frequência do sexo masculino que relataram o uso de bebidas alcoólicas foi de 62,0%. A situação de estar com sobrepeso (42,2%) e obesidade (22,4%) mostrou associação com o etilismo. As variáveis sexo, idade, auto percepção de saúde, grau de instrução, tempo de trabalho na UFAC e classificação do IMC mostraram significância estatística (<0,05) com o tabagismo. Conclusão: Considerando os dados abordados por este estudo, destacamos a necessidade da elaboração de estratégias voltadas ao comportamento saudável pelos servidores.


Palavras-chave


Comportamento de Risco; Saúde do Trabalhador; Alcoolismo; Hábito de fumar; Atividade motora

Texto completo:

PDF

Referências


- Grunbaum JA, Kann L, Kinchen SA, Williams B, Ross JG, Lowry R, Kolbe L. Center for Disease Control and Prevention. Youth risk behavior surveillance–United States, 2001. MMWR. 2002;51(SS04):1-64.

- Bem, MFL. Estilo de vida e comportamentos de risco de estudantes trabalhadores do ensino médio de Santa Catarina. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

- Ministério da Saúde. Programa Nacional de Promoção da Atividade Física “Agita Brasil”: Atividade física e sua contribuição para a qualidade de vida. Rev Saúde Pública. 2002; 36(2): 254-6.

- Barreto SM, Figueiredo RC. Chronic diseases, self-perceived health status and health risk behaviors: gender differences. Rev Saúde Pública. 2009;43(Supl 2):38-47.

- World Health Organization. Noncommunicable diseases country profiles. Genera, 2011.

- Lopez AD, Mathers CD, Ezzati M, Jamison DT, Murray CJ. Global and regional burden of disease and risk factors, 2001: systematic analysis of population health data. The Lancet. 2006;367(9524):1747–57.

- World Health Organization. Physical Status: The Use and Interpretation of Anthropometry. Genebra: OMS; 1995. (Technical Report Series, 854)

- Costa RS, Heilborn MA, Werneck GL, Faerstein E, Lopes CS. Gênero e prática de atividade física de lazer. Cad Saúde Pública. 2003;19(Sup. 2):S325-S333.

- Porto DB, Paulo Filho LA de, Fernandes RA. Prática de atividade física e indicadores de risco coronariano de servidores do hospital universitário de Londrina. Rev Educ Física UEM. 2011;22(3): 469-77.

- Agostinho MR, Oliveira MC, Pinto MEB, Balardin GU, Balardin E. Auto-percepção da saúde entre usuários da Atenção Primária em Porto Alegre, RS. Rev Bras Med Fam Comum. 2010;5(17):9-15.

– Farias Jr JC, Lopes AS. Comportamentos de risco relacionados à saúde em adolescentes. Rev Bras Cienc Mov. 2004;12(1):7-12.

- Mota VA. Uso de álcool e alcoolismo e fatores associados entre servidores públicos universitários. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2011.

- Conceição TV, Gomes FA, Tauil PL, Rosa TT. Valores de Pressão Arterial e suas associações com fatores de risco cardiovasculares em servidores da Universidade de Brasília. Arq Bras Cardiol. 2006;86(10):26-31.

- Rios PAA, Matos AM, Fernandes MH, Barbosa AR. Consumo e uso abusivo de bebidas alcoólicas em estudantes universitários. Rev Saúde.com. 2008;4(2):105-116.

- Costa JSD, Silveira MF, Gazalle FK, Oliveira SS, Hallal PC, Menezes AM, Gigante DP, Olinto MTA, Macedo S. Consumo abusivo de álcool e fatores associados: estudo de base populacional. Rev Saude Publica. 2004;38(2):284-291.

- Lopes, M. Uso de álcool, estresse no trabalho e fatores associados entre servidores técnicos administrativos de uma universidade pública. Dissertação (Mestrado em Enfermagem Psiquiátrica) - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.

- Suter PM. Is alcohol consumption a risk factor for weight gain and obesity? Crit Rev Clin Lab Sci. 2005;42(3):197-227.

- Ahmed A, Roher JE. Patterns of alcohol drinking and its association with obesity: data from the third national health and nutrition examination survey. 1988–1994. BMC Public Health. 2005;5(5):126.

- Bordin R, Nipper VB, Silva JO, Bortolomiol L. Prevalência de tabagismo entre escolares em município de área metropolitana da Região Sul, Brasil, 1991. Cad Saude Publica. 1993;9(2):185-9.

- Malta DC, Moura EC, Silva SA, Oliveira PPV, Silva VLC. Prevalência do tabagismo em adultos residentes nas capitais dos estados e no Distrito Federal, Brasil, 2008. J Bras Pneumol. 2010; 36(1):75-83.

- Machado A, Nicolau R, Dias CM. Consumo de tabaco na população portuguesa retratado pelo Inquérito Nacional de Saúde. Rev Port Pneumol 2009; 15(6):1005-27.

- Cox JL. Smoking cessation in the elderly patient. Clin Chest Med. 1993;14(3):423-28.

- Peres MA, Masiero AV, Longo GZ, Rocha GC, Matos IB, Najnie K, Oliveira MC, Arruda MP, Peres KG. Auto-avaliação da saúde em adultos no Sul do Brasil, Rev Saúde Pública. 2010;44(5):901-11.

- Instituto Nacional do Câncer. Prevenção e fatores de risco. Disponível em: Acesso em: 30/12/2015.

- National Cancer Institute. Women, tobacco and cancer: an agenda for the 21st Century. United States. 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.