Avaliação da adequação nutricional das refeições distribuídas no restaurante popular de Rio Branco, AC.

Fábia Silveira Lopes, Vanessa Moura Lima, Fernanda Andrade Martins

Resumo


Este estudo teve como objetivo avaliar a adequação nutricional das refeições distribuídas na Unidade de Alimentação e Nutrição do Restaurante Popular do município de Rio Branco-Acre. Trata-se de um estudo descritivo e transversal, realizado entre os meses de fevereiro e março de 2015. Foram analisados os teores de calorias, carboidratos, proteínas, lipídeos, fibras, vitaminas A e C, cálcio, ferro e sódio de 10 cardápios oferecidos pela unidade. A análise da composição nutricional das preparações foi realizada por meio do software AVANUTRI® versão 4.0 e comparadas com os parâmetros nutricionais do programa de alimentação do trabalhador (PAT) descritas na Portaria Interministerial nº. 66/06 e com as recomendações da Dietary Reference Intakes (DRI’s). O 3valor calórico (1166 kcal), proteínas (25%), fibras (12g) e sódio (1303mg) apresentaram-se acima das recomendações, entretanto, o valor de carboidrato correspondeu a 54% da recomendação nutricional. Os lipídeos corresponderam a 25% do valor energético total (VET) dos cardápios. Os valores de ferro, vitamina A e C, encontraram-se satisfatórios, com adequações diárias variando de 40 a 130%. Todavia, o cálcio, apresentou apenas 16% de adequação. A oferta de alguns nutrientes está inadequada conforme as recomendações do PAT e DRI’s. Desta forma é necessário adequado planejamento de cardápios e padronização das porções, considerando as recomendações nutricionais e visando a saúde da clientela.


Palavras-chave


Planejamento de cardápio, restaurantes, recomendações nutricionais.

Texto completo:

PDF

Referências


Diez Garcia RW. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev Nutr. 2003 12PY - 2003;16(4):483–92.

Tardido AP, Falcão MC. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Rev Bras Nutr Clin. 2006;21(2):117–24.

Enes CC, Pegolo GE, Silva MV. Influência do consumo alimentar e do padrão de atividade física sobre o estado nutricional de adolescentes de Piedade, São Paulo. Rev Paul Pediatr. 2009;27(3):265–71.

Gobato RC, Panigassi G, Villalba JP. Identificação do perfil de usuários de um Restaurante Popular do Município de Campinas. Segur Aliment E Nutr. 2010;17(2):14–25.

Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à fome: Manual Programa Restaurante Popular. Brasília, 2004.

Vanin M, Southier N, Novello D, Francischetti VA. Adequação nutricional do almoço de uma unidade de alimentação e nutrição de Guarapuava-PR. Rev Salus. 2010;1(1).

Gonçalves MP, Campos ST, Sarti FM. Políticas públicas de segurança alimentar no Brasil: uma análise do Programa de Restaurantes Populares. Rev Gest Políticas Públicas. 2011;1(1).

Institute of Medicine (U.S.), Institute of Medicine (U.S.), editors. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids. Washington, D.C: National Academies Press; 2005. 1331 p.

Jaime PC, Machado FMS, Westphal MF, Monteiro CA. Educação nutricional e consumo de frutas e hortaliças: ensaio comunitário controlado. Rev Saúde Pública. 2007;41(1):154–7.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev Saúde Pública. 2005;39(4):530–40.

Souza DR, Anjos LA, Wahrlich V, Vasconcellos MTL, Machado JM. Ingestão alimentar e balanço energético da população adulta de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil: resultados da Pesquisa de Nutrição, Atividade Física e Saúde (PNAFS). Cad Saúde Pública. 2010;26(5):879–90.

Ghislandi ÂMP. Adequação dos cardápios da empresa “‘x’”em relação aos novos parâmetros nutricionais do programa de alimentação do trabalhador. Rev Iniciaç Científica. 2010;6(1).

Costa MC, Lessa I, Viana SV. Eating habits and undesirable lipidic profiles in petrochemical industry workers. Rev Bras Saúde Ocupacional. 2003;28(105-106):51–61.

Carneiro N, Souza S, Moura C. Avaliação do almoço servido em uma unidade de alimentação e nutrição, segundo os critérios do programa de alimentação do trabalhador. Aliment E Nutr Araraquara. 2013;24(3):348.

Mattos PF. Avaliação da Adequação do Almoço de uma Unidade de Alimentação e Nutrição ao Programa de Alimentação do Trabalhador. 2008.

Brandão AR, Giovanoni A. Comparação dos cardápios oferecidos em uma unidade de alimentação e nutrição do município de Teutônia com o programa de alimentação do trabalhador. Destaques Acadêmicos. 2011;3(3).

Dias P, Kinasz T, Campos M. Alimentação escolar para jovens e adultos no município de Cuiabá-MT: um estudo sobre a qualidade, aceitação e resto ingestão. Aliment E Nutr Araraquara. 2013;24(1):86.

Bandoni DH, Jaime PC. The quality of meals in companies participating in the worker’s food program in the city of São Paulo, Brazil. Rev Nutr. 2008;21(2):177–84.

Sousa FA, Oliveira Silva RC, Fernandes CE. Avaliação nutricional de cardápios em unidades de alimentação e nutrição: adequação ao programa de alimentação do trabalhador. Veredas Favip-Rev Eletrônica Ciências. 2013;2(1 e 2).

Salas CKTS, Spinelli MGN, Kawashima LM, Ueda AM. Sodium and lipid contents of lunch meals consumed by workers of a company in Suzano, SP, Brazil. Rev Nutr. 2009;22(3):331–9.

Silva AB, Oliveira KE, Akutsu RC, Cruz KG, Belém JC. Consumo alimentar dos usuários de restaurantes comunitários do Distrito Federal. Nutr Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2009.

Spinelli MGN, Kawashima LM, Egashira EM. Análise de sódio em preparações habitualmente consumidas em restaurantes self service. Braz J Food Nutr E Nutr. 2011;22(1).

Motta CC. Adequação nutricional de refeições e análise de estrutura física em restaurante popular de cidade do interior do estado de São Paulo. 2015.

Pereira GAP, Genaro PS, Pinheiro MM, Szejnfeld VL, Martini LA. Cálcio dietético: estratégias para otimizar o consumo. Rev Bras Reumatol. 2009 Apr;49(2):164–71.

Ramalho RA, Flores H, Saunders C. Hipovitaminose A no Brasil: um problema de saúde pública. Rev Panam Salud Publica. 2002;12(2):117–22.

Raizel R, Santini E, Kopper AM, dos Reis Filho AD. Efeitos do consumo de probióticos, prebióticos e simbióticos para o organismo humano. Ciências Saúde. 2011;4(2):66–74.

Aranha FQ, Barros ZF, Moura LSA, Gonçalves M da CR, de BARROS JC, Metri JC, et al. O papel da vitamina c sobre as amina c sobre as alterações orgânicas no idoso terações orgânicas no idoso1. Rev Nutr. 2000;13(2):89–97.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.