TENDÊNCIA DE MORTALIDADE MATERNA EM RIO BRANCO, ACRE,1996-2013

Tamires Sales de Andrade, Polyana Caroline de Lima Bezerra

Resumo


Objetivos: analisar tendência temporal de mortalidade materna em Rio Branco, Acre, referente ao período de 1996 a 2013, segundo faixa etária de risco gestacional, escolaridade e raça/etnia. Metodologia: Utilizou-se os dados do Sistema de Informação de Mortalidade, conforme a CID10ª revisão; A taxa de mortalidade materna, foi calculada utilizando como numerador o número de óbitos por causas maternas (Capítulo XV – CID 10) e como denominador o número de nascidos vivos registrados pelo Sistemas de Informações sobre Nascido Vivos para o ano em questão, multiplicado por 10 mil. Devido à possibilidade de eventual subregistro no sistema, utilizou-se o fator de correção da taxa de mortalidade de 1,4 recomendado pela OMS. Para suavizar a série histórica em função da ausência dos dados de nascidos vivos em alguns dos anos estudados foi realizada média aritmética dos dois anos anteriores e posteriores dos referidos anos. A análise de tendência foi realizada pelo programa JoinPoint Regression do National Cancer Institute, desenvolvida segundo o método de regressão linear segmentada com estimação dos pontos de inflexão que indica uma mudança na tendência. O teste baseia-se no cálculo da inclinação do segmento de reta, ou variação percentual anual (VPA) com intervalo de confiança de 95%. Resultados: Ocorreram 2.173 óbitos maternos (1996-2013).  A tendência de mortalidade materna em Rio Branco se mostrou elevada e manteve um comportamento ascendente (p-valor <0,05), com VPA de 7,66% na faixa etária de 10 a 19 anos e 7,41% naquelas de 35 anos ou mais; 7,47% nas pretas/pardas; 7,05% no estrato de nenhuma instrução; 14,43% 1 a 3 anos de estudo; 11,74% em mulheres com 4 a 7 anos de estudo; 68,33% no estrato de 8 a 11 anos de estudo (1996 a 2001) e -9,24% com 12 anos ou mais de estudo (1996 a 2007). Conclusão: Identificou-se as tendências de mortalidade materna em Rio Branco, além de descrever o perfil sociodemográfico com tendência ascendente e, com as maiores variações percentuais anual em mulheres de faixa etária de risco gestacional, raça/etnia pretas/pardas e com pouca instrução. Sugere-se a necessidade de realização de novas pesquisas, para identificar as tendências das TMM segundo as causas obstétricas diretas e indiretas de mortes maternas.

Palavras-chave


1.Mortalidade Materna 2. Tendências 3. Registros de mortalidade

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

World health organization (who) united nations international children’s emergency fund ((unicef). Revised 1990 estimates of maternal mortality: a new approachbywhoandunicef.who/frh/msm96.11.nicef/pzn/96.1.geneva:who/unicef;

. Silva, K. S. Mortalidade Materna: Evolução da Situação no Rio de Janeiro no período de 1977 a 1987. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública), Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ, 1994.

. Malta D, Duarte E, Almeida M, Dias M, Morais O , Moura L, Ferraz W, Souza M Lista de causas de mortes evitáveis por intervenção do Sistema Único de Saúde .RevEpidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 16(4):233.244, out.dez, 2007.

Lavado M, Poerner C, Tomaz T, Morelli C, Ramos L, Koch T, Santos B. Perfil epidemiológico das mortes em Itajaí no período de 1997-2007.Arq. Catarin. Med. 2012; 41(1): 28.33.

Organização Panmericana da Saúde. Organização Mundial da Saúde. 51º conselho diretor 63ª sessão do comitê regional washington, d.c., EUA, 26 a 30 de setembro de 2011 tema 4.9 da agenda provisória.

Parpinelli A, Mortalidade de Mulheres em Idade Reprodutiva no Município de Campinas: análise de 1985 a 1994. Campinas,S.P.:[s.n.]1997.Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas.

Rodrigues V, Siqueira, AAF. Uma análise da implementação dos comitês de estudos de morte materna no Brasil: um estudo de caso do Comitê do Estado de São Paulo. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19(1):183-189, jan-fev, 2003

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 3. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2007.104 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

O Brasil em frente as ODM. Disponível em . Acessado em 22 de março de 2016.

Governo do Estado do Acre. Acre em números. Rio Branco: Secretaria de Estado e Planejamento, 2011.

.Antes D, Schneider I, Orsi E,. Mortalidade por queda em idosos: estudo de série temporal Rev. Bras.Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2015; 18(4):769-778

Rockville (MD): Joinpoint Regression Program [Internet]. Version 4.0.4. National Cancer Institute; 2013. Disponível em:http://surveillance.cancer.gov/joinpoint. Acessado em março de 2016.

Viana R, Novaes M, CalderonI, Mortalidade materna uma abordagem atualizada.Com. Ciências Saúde - 22 Sup 1:S141-S152, 2011

Gomes V, Barreto M, Leal M, Monteiro C, Schmidt M, Bastos J,

Bahia C , Travassos C, Reichenheim M, Barros F .Condições de saúde e inovações Politicas de saúde no Brasil : o caminho a percorrer. The Lancet Brazil Series Working Group Publicado Online 9 de maio de 2011. DOI:10.1016/S0140.6736( 11) 60055.X

Silva, K. S Mortalidade materna avaliação da situação no rio de janeiro no período de 1997 a1987 Cad. Saúde Públ, Rio de Janeiro, 8 (4): 442.453, out/dez, 1992.

Ramos S, Calderon I, Análise de casos de mortes maternas em Manaus nos anos de 2001 a 2010 / Tese (Doutorado) –– Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho. Manaus: UFAM, 2013. DisponívelAcessado em 15 de maio de2016

Marinho A, Paes N, Mortalidade materna no estado da Paraíba : Associação entre variáveis. RevEscEnferm USP2010; 44(3):732.8

Ferraz La Bordignon M, Mortalidade Materna uma realidade que precisa melhorar .Rev Baiana de Saúde Pública v.36, n.2, p.527.538 abr./jun. 2012

Brasil. Ministério das Cidades. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. Diagnósticos dos serviços de água e esgoto. Disponível em . Acessado em 23 de março de 2016.

Prefeitura Municipal de Rio Branco (PMRB). Relatório anual de gestão 2012. Rio Branco, 2012

Ferreira T, Farias M. Adolescência através dos séculos. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Abr- Jun 2010, Vol. 26 n. 2, pp. 227-234

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 5. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012.302 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

Dorfman. Maternal Mortality in New York city, 1981-1983. Obstetrics& Gynecology,1990,76(3),317-323.

Szwarcwald C, Escalante J, Lyra D, Souza P, Gomes V . Estimação de mortalidade materna no Brasil, 2008-2011 Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup:S71.S83, 2014

Costa A, Ribas M, Amorim M, Santos. Mortalidade Materna na cidade do Recife.LRBGO . v. 24, nº 7, 2002.

Souza J, Cecatti J, Parpinelli M, Fatores associados à gravidade da morbidade materna na caracterização do near miss.Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27(4): 197-203

Mandú T, Antiqueira A, Lanza C,. Mortalidade materna implicações para o programa de saúde da família .Rev.enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2009 abr/jun; 17(2):278-84.

.Rodrigues AV, Siqueira AAF. Sobre as dores e temores do parto: dimensões de uma escuta.Rev. Bras. Saúde , Recife, 8 (2): 179.186, abr. / jun., 2008.

Laurenti R, Mello M, Gotlieb J, .Mortalidade em idade fértil um fator de ajuste para as capitais brasileiras. Rev. Bras. Epidemiol.

;7(4):449-60


Apontamentos

  • Não há apontamentos.