Desenvolvimento neuropsicomotor: uma abordagem em creches na região norte do Brasil através do teste de Denver II

Rafaela Ester Galisteu Silva, Ricardo Halpern

Resumo


Objetivos: Verificar a prevalência de suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor de pré escolares matriculados nas creches de Porto Velho-RO. Verificar possível associação entre suspeita de atraso no desenvolvimento com estado nutricional, e possível associação com tipo de creche (municipal, estadual e particular). Métodos: Estudo quantitativo, observacional, transversal, que incluiu uma amostra de 449 crianças até 3 anos de idade, de ambos os sexos. Para avaliação do desenvolvimento foi utilizado teste de Denver II, sendo um teste de triagem que avalia as áreas da linguagem, pessoal/social e motora (grossa e fina). Para avaliação nutricional foi realizado medida do peso e estatura para determinar a classificação do IMC por idade de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Os dados foram analisados pelo pacote estatístico SPSS 12.0 através do teste Qui-Quadrado, com intervalo de confiança de 95% e nível de significância de p < 0,05. Resultados: A prevalência de suspeita de atraso foi de 35%, sendo a área da linguagem a mais prevalente, com 31%. Houve associação entre estado nutricional e suspeita de atraso, sendo que crianças com IMC baixo, eutróficos, sobrepeso e obesos apresentaram respectivamente 66%, 31,8%, 37,5% e 58%. Já o tipo de creche e sua associação com a suspeita de atraso, 55,6% foram da creche estadual; 34,3% municipal; e 28,8% particular. Conclusões: Os resultados demonstram alta prevalência na suspeita de atraso no desenvolvimento, em especial a área da linguagem. Dos fatores estudados o estado nutricional e tipo de creche apresentou associação com suspeita de atraso no desenvolvimento.

Palavras-chave: desenvolvimento infantil, creches, Teste de Denver II.


Palavras-chave


Desenvolvimento infantil; Creches; Teste de Denver II.

Texto completo:

PDF

Referências


Rezende MA, Beteli VC, Santos JLF. Follow-up of the child’s motor abilities in day-care centers and pre-schools. Rev Latino-am Enfermagem. 2005;13(5):619-25.

Halpern R, Barros AJD, Matijasevich A, et al. Developmental status at age 12 months according to birth weight and family income: a comparison of two Brazilian birth cohorts. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(3 Suppl.):444-450.

Biscegli TS, Polis LB, Santos LM, Viventin M. Avaliação do estado nutricional e do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças frequentadoras de creche. Rev. paul. Pediatr. 2007;25(4):337-42.

Sacanni R, Brizola E, Giordani AP, et al. Avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças de um bairro da periferia de Porto Alegre. Scientia Medica. 2007;17(3):130-137.

Unicef. Situação Mundial da Infância 2008 - Caderno Brasil [livro na internet]. Brasil; 2008. [acesso em 2009 set 13]. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/cadernobrasil2008.pdf.

Brasil - Presidência da República – Casa Civil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDBEN. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. [acesso em 2009 jul 19]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm.

Tieman BL, Palisano, RJ, Sutlive AC. Assessment of motor development and function in preschool children. Research Reviews. 2005;11:189–196.

Lichtenberger EO. General measures of cognition for the preschool child. Research Reviews. 2005;11:197–208.

Frankenburg KW, Dodds JAP, Bresnick B. Denver II: technical manual and training manual. Denver: Denver Developmental Materials Incorporation; 1990.

Allen MC. Neurodevelopmental assessment of the young child: the state of the art. Research Reviews. 2005;11:274–275.

WHO Child Growth Standards. Length/height-for-age, weight-for-age, weight-for-length, weight-for-height and body mass index-for-age. Methods and development, 2006:1-336.

Souza SC, Leone C, Takano OA, et al. Desenvolvimento de pré-escolares na educação infantil em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2008;24(8):1917-1926.

Brito CML, Vieira GO, Costa MCO, Oliveira NF. Desenvolvimento neuropsicomotor: o teste de Denver na triagem dos atrasos cognitivos e neuromotores de pré – escolares. Cad. Saúde Coletiva. 2011; 27 (7): 1403-1414.

Rezende MA, Costa OS, Pontes PB. Triagem de desenvolvimento neuropsicomotor em instituições de educação infantil segundo o teste de Denver II. Esc Anna Nery R Enferm. 2005;9(3):348-55.

Cachapuz RF, Halpern R. A influência das variáveis ambientais no desenvolvimento da linguagem em uma amostra de crianças. Revista da AMRIGS. 2006;50 (4): 292-301.

Moraes MW, Weber APR, Santos MCO, Almeida FA. Teste de Denver II: avaliação do desenvolvimento de crianças atendidas no ambulatório do Projeto Einstein na Comunidade de Paraisópolis. Einstein. 2010;8(2): 149-53.

Landa RJ. Assessment of social communication skills in preschoolers. Research Reviews. 2005;11:247–252.

Guardiola A, Egewarth C, Rotta NT. Avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor em escolares de primeira série e sua relação com o estado nutricional. J Pediatr. 2011;77(3):189-96.

Mansur SS, Neto FR. Desenvolvimento neuropsicomotor de lactentes desnutridos. Rev. bras. Fisioter. 2006;10(2):185 – 191.

Horwood LJ, Mogridge N, Darlow BA. Cognitive, educational, and behavioural outcomes at 7 to 8 years in a national very low birthweight cohort. Arch Dis Child Fetal Neonatal. 1998;79:12-20.

Halpern R, Giugliane ERJ, Victora CG, et al. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. J. pediatr. 2000;76(6):421-428.

Batista Filho M, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad Saude Publica. 2003;19(Suppl 1):181-91.

Sabatés AL, Mendes LCO. Perfil do crescimento e desenvolvimento de crianças entre 12 e 36 meses de idade que frequentam uma creche municipal da cidade de Guarulhos. Cienc Cuid Saude. 2007;6(2):162-170.

Hadders – Algra M. The neuromotor examination of the preschool child and its prognostic significance. Research Reviews. 2005;11:180–188.

Zeponne SC, Volpon LC, Ciampo LAD. Monitoramento do desenvolvimento infantil realizado no Brasil. Ver Paul Pediatr. 2012; 30 (4): 594-9.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.