Análise das despesas governamentais com saúde no Estado do Acre, 2010 a 2014.

Elisa Mara da Silva Carneiro Braga

Resumo


Introdução: Historicamente, o financiamento das despesas pública em saúde sempre foi largamente financiado por recursos de origem federal, seguidos, em ordem de importância, pelo aporte estadual e municipal (1). É importante ressaltar que a disponibilidade de informações financeiras sobre o perfil do financiamento e do gasto com as políticas públicas de saúde, para cada esfera de governo, constitui um imperativo para o processo de construção e avaliação do desempenho do SUS (Sistema Único de Saúde) (2). Com isso, tais informações podem viabilizar o aprimoramento da gestão, a disseminação de experiências bem sucedidas entre os entes federados, e a adequada distribuição dos gastos entre investimento e custeio, tendo em vista o dimensionamento das redes de atenção, dentre outras questões (3). Objetivo: Comparar as despesas em atenção básica com assistência hospitalar e ambulatorial no SUS, no período de 2010 a 2014, no Estado do Acre. Métodos: Trata-se de um estudo observacional analítico do tipo transversal. Os dados estudados correspondem às despesas com saúde no Estado do Acre, por sub-função obtidos do Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde/SIOPS, entre janeiro de 2010 a dezembro de 2014. A análise dos dados foi feita utilizando-se o programa Excel. Resultados: A redução drástica nas despesas em saúde nos anos de 2012 e 2013 justifica-se pela tentativa de alcançar o superávit de R$ 75 bilhões. O bloco que recebeu menos verbas foi o das iniciativas de "Atenção Básica à Saúde" que passou de R$ 2,4 bilhões em dezembro de 2012 para R$ 1,5 bilhão no mesmo período de 2013(16). As despesas com assistência hospitalar e ambulatorial teve seu ápice em 2013, mantendo uma constante no ano seguinte. As despesas com atenção básica no período de 2010 a 2014 foi de R$ 23.847.392,60 e com assistência hospitalar e ambulatorial foi de R$ 5.986.717.888,57. Estas duas sub-funções geraram uma despesa de R$ 6.010.565.281,17. Conclusão: Os serviços de saúde deveriam discutir com a rede de atenção a saúde como integrar o paciente ambulatorial às outras possíveis portas de entrada e preparar-se para atendê-lo, já que as demandas são geradas por fatores culturais e por deficiências de recursos tecnológicos e sociais. Corresponder às expectativas da clientela é um dos maiores desafios para a organização da assistência (15). A organização da rede é o caminho, assim como o controle social, a formação de recursos humanos e o financiamento compatível com as atribuições e responsabilidades dos serviços.

 

 

Palavras-chave: Atenção Básica, assistência hospitalar, assistência ambulatorial, despesas em saúde.

Introdução: Historicamente, o financiamento das despesas pública em saúde sempre foi largamente financiado por recursos de origem federal, seguidos, em ordem de importância, pelo aporte estadual e municipal (1). É importante ressaltar que a disponibilidade de informações financeiras sobre o perfil do financiamento e do gasto com as políticas públicas de saúde, para cada esfera de governo, constitui um imperativo para o processo de construção e avaliação do desempenho do SUS (Sistema Único de Saúde) (2). Com isso, tais informações podem viabilizar o aprimoramento da gestão, a disseminação de experiências bem sucedidas entre os entes federados, e a adequada distribuição dos gastos entre investimento e custeio, tendo em vista o dimensionamento das redes de atenção, dentre outras questões (3). Objetivo: Comparar as despesas em atenção básica com assistência hospitalar e ambulatorial no SUS, no período de 2010 a 2014, no Estado do Acre. Métodos: Trata-se de um estudo observacional analítico do tipo transversal. Os dados estudados correspondem às despesas com saúde no Estado do Acre, por sub-função obtidos do Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde/SIOPS, entre janeiro de 2010 a dezembro de 2014. A análise dos dados foi feita utilizando-se o programa Excel. Resultados: A redução drástica nas despesas em saúde nos anos de 2012 e 2013 justifica-se pela tentativa de alcançar o superávit de R$ 75 bilhões. O bloco que recebeu menos verbas foi o das iniciativas de "Atenção Básica à Saúde" que passou de R$ 2,4 bilhões em dezembro de 2012 para R$ 1,5 bilhão no mesmo período de 2013(16). As despesas com assistência hospitalar e ambulatorial teve seu ápice em 2013, mantendo uma constante no ano seguinte. As despesas com atenção básica no período de 2010 a 2014 foi de R$ 23.847.392,60 e com assistência hospitalar e ambulatorial foi de R$ 5.986.717.888,57. Estas duas sub-funções geraram uma despesa de R$ 6.010.565.281,17. Conclusão: Os serviços de saúde deveriam discutir com a rede de atenção a saúde como integrar o paciente ambulatorial às outras possíveis portas de entrada e preparar-se para atendê-lo, já que as demandas são geradas por fatores culturais e por deficiências de recursos tecnológicos e sociais. Corresponder às expectativas da clientela é um dos maiores desafios para a organização da assistência (15). A organização da rede é o caminho, assim como o controle social, a formação de recursos humanos e o financiamento compatível com as atribuições e responsabilidades dos serviços.


Palavras-chave


Saúde, SUS

Texto completo:

PDF

Referências


Marques RM. O Financiamento da Atenção à Saúde no Brasil. 2001;12(19):65–91.

Imperative THE, Financing OF. O IMPERATIVO DO FINANCIAMENTO E DA GESTÃO : THE IMPERATIVE OF FINANCING SUPPORT AND MANAGEMENT-. 2000;

Teixeira HV. Gasto público com a saúde no Brasil : possibilidades e desafios. 2003;

DANTAS T. “Gastos, custos e despesas” [Internet]. 2016 [citado 3 de agosto de 2016]. Available at: Dhttp://brasilescola.uol.com.br/economia/gastos-custos-despesas.htm

Carvalho DMT de. Financiamento da assistência médico-hospitalar no Brasil. Cien Saude Colet [Internet]. 2007;879–92. Available at: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000400010〈=ptnhttp://www.scielo.br/pdf/csc/v12n4/07.pdf

Campelli MGR, Calvo MCM. O cumprimento da Emenda Constitucional no. 29 no Brasil. Cad Saude Publica. 2007;23(7):1613–23.

Saúde. B. Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. [Internet]. CONASS, organizador. Brasília; 2007. 248 p. Available at: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/colec_progestores_livro9.pdf

Vieira FS, Zucchi P. Financiamento da assist??ncia farmac??utica no sistema ??nico de sa??de. Saude e Soc. 2013;22(1):73–84.

Ibañez N, Rocha JSY, Forster AC, Novaes MHD, Luiza A. Care performance assessment of primary health care services in the State of São Paulo. Cien Saude Colet. 2006;11(3):683–703.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Portaria Conjunta MS/PGR nº 1.163, de 11 de outubro de 2000. Institucionaliza o SIOPS no âmbito do Ministério da Saúde. Diário Oficial da União nº. 203; Poder Executivo, 2000.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em:. Acesso em: 19 jul. 2016.

Coleman P, Irons R, Nicholl J. Will alternative immediate care services reduce demands for nonurgent treatment at accident and emergency? Emerg. Med J. 2001; 18: 482-487.

Fries JF et al. Reducing health care costs by reducing the need and demand for. s.l. : New England Journal of Medicine, 1993. 329:321–325.

George S, Read S, Westlake L. Differences in priorities assigned to patients by triage nurses and by consultant physicians in accident and emergency departments. J Epidemiol Community Health 1993; 47(4):312-315

Marques RM, Mendes A. Atenção Básica e Programa de Saúde da Família (PSF): novos rumos para a política de saúde e seu financiamento?. Rev C S Col 2003; 8 (2):403-415.

Pinheiro R. As práticas do cotidiano na relação oferta e demanda dos serviços de saúde: um campo de estudo e construção da integralidade. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro; IMS/UERJ; 2001. p. 65-112.

POLÍTICA, Folha. Contas abertas, 2014. Disponível em:. Acesso em: 16 de jul. 2016.

World Health Organization. The World Health Report 2002 – Reducing risks, promoting healthy life. 2002.

Ibañez N, Rocha JSY, Forster AC, Novaes MHD, Luiza A. Care performance assessment of primary health care services in the State of São Paulo. Cien Saude Colet. 2006;11(3):683–703.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.