TROPOS

A Revista Tropos: Comunicação, Sociedade e Cultura é uma publicação semestral editada pela Universidade Federal do Acre – UFAC, vinculada aos grupos de pesquisa Comunicação, Sociedade e Cultura e Mídias, Imaginário e Representação – Uma Cartografia das Amazônias (Mirca) do curso de Comunicação Social/Jornalismo da UFAC. A revista é atualmente classificada como B3 na área Linguística e Literatura, B5 na área de Comunicação e Informação e Ciência política e relações internacionais. Possui caráter científico e é a primeira do referido curso, sendo dedicada, preferencialmente, a publicação de textos inéditos nas áreas de Comunicação e Humanidades, tendo foco multidisciplinar. 

Convidamos os pesquisadores a enviar contribuições dentro das áreas de conhecimento propostas pela revista.

1. Jornalismo e Sociologia, 2. Teorias da Comunicação, 3. Estudos Culturais e de Gênero, 4. Narrativas Audiovisuais, 5. Semiótica, 6. Comunicação e Cultura Visual, 7. Jornalismo e Literatura, 8. Educação para os media, 9. Comunicação e Saúde, 10. Assessoria de Comunicação, 11. Interações midiatizadas
 
A primeira edição de 2019 será publicada em Julho.
 
A segunda edição de 2019 será publicada em Dezembro.
 
Data limite para submissões no primeiro semestre: 15 de maio de 2019.
 
Data limite para submissões no segundo semestre: 30 de setembro de 2019
 
 
Além das submissões com temas livres, a Revista organiza o seu primeiro dossiê intitulado “Novas Perspectivas sobre o cinema da Europa Mediterrânea”:

As submissões estão abertas até 15 de maio de 2019 para o seu primeiro dossiê. Os artigos devem versar sobre as “Novas Perspectivas sobre o cinema da Europa Mediterrânea”.

O dossiê será coordenado por Jorge Carrega, Ph.D., pesquisador do CIAC-Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve e a pesquisadora Paola Palma, Ph.D. que integra a UMR Thalim (CNRS/ENS/Université Paris 3).

Quaisquer questões podem ser dirigidas aos editores da revista Tropos e do dossiê.

Jorge Carrega (jmcarrega@ualg.pt)

Paola Palma (palma.paola@gmail.com)

DOSSIÊ: “Novas Perspectivas sobre o cinema da Europa Mediterrânea”

Desde que George Méliès abriu o cinema à imaginação e Enrico Guazzoni criou o filme épico, a Europa mediterrânea tem desempenhado um papel fundamental na história da 7ª arte, graças à dinâmica criativa das indústrias de cinema francesa, italiana e espanhola, as quais por diversas vezes estabeleceram frutuosas parcerias que não só refletiam as condições do mercado, mas também as relações politicas e econômicas que se estabeleciam entre os países da Europa Ocidental.

Os anos do pós-guerra, nomeadamente as décadas de 1950, 60 e 70, assinalaram o apogeu das indústrias de cinema da Europa mediterrânea, graças a uma aposta na co-produção que permitiu desenvolver modelos de cinema transnacional que alcançaram enorme popularidade em mercados como a América Latina e alguns países asiáticos (gêneros populares) ou nos grandes centros urbanos da Europa e dos EUA (cinema de autor). Deste modo, importa aprofundar os estudos sobre a distribuição e recepção destes filmes nos diversos países onde foram distribuídos, assim como as práticas de censura a que foram submetidos, em particular pelos regimes ditatoriais de Portugal, Espanha, Brasil e Argentina.

Na verdade, apesar das cinematografias oriundas do sul da Europa (França, Itália, Espanha, Portugal, Grécia e antiga Jugoslávia), e em particular dos seus mais notáveis cineastas, terem merecido a atenção de historiadores e pesquisadores de cinema, raras vezes estes filmes foram analisados segundo uma perspectiva mediterrânea, com enfoque nas características históricas e socioculturais que unem estes países e distinguem uma parte importante da sua produção cinematográfica, não apenas do cinema de Hollywood, mas também das cinematografias do centro e norte da Europa. 

A Revista Tropos convida os autores a enviarem artigos sobre os seguintes tópicos:

 - A importância histórica da co-produção cinematográfica entre os países da Europa mediterrânea desde o final da II Guerra Mundial aos nossos dias;

- Modelos e práticas de cinema transnacional na Europa mediterrânea;

- Os gêneros populares no cinema da Europa mediterrânea;

- A distribuição e recepção do cinema da Europa mediterrânea na Europa e nos países latino-americanos;

- Identidades nacionais e transnacionais no cinema da Europa mediterrânea;

- Cineastas do mediterrâneo: o filme de autor como expressão das culturas do mediterrâneo;

- O filme de viagens na Europa mediterrânea;

- Práticas de censura e multiversão no cinema da Europa mediterrânea;

- Questões de raça, gênero e identidade no cinema da Europa mediterrânea;

- O cinema da Europa mediterrânea e a “Fortaleza Europa”: a problemática da emigração vista pelo cinema;

- A circulação de profissionais da indústria de cinema (atores, realizadores, argumentistas, músicos, directores de fotografia etc…) na Europa mediterrânea;

-A importância dos Festivais de Cinema.

 

Visite nossa página no Facebook.

 
ISSN: 2358-212X

 


v. 7, n. 2 (2018)


Capa da revista