UM CONTINGENTE MÓVEL:

CABANOS ENTRE HISTÓRIAS, MEMÓRIAS E NARRATIVAS

Autores

  • Sandy Maria G. de Andrade Universidade Federal do Acre
  • Diego Correia Machado Universidade Federal do Acre

Resumo

Este trabalho faz uma análise das narrativas do processo de resistência imprimida pela Cabanagem, uma vez que foi o único em que os resistentes tomaram o poder político, na então capital Belém, entre 1835 e 1836, levando em conta a mobilidade que estes apresentam durante os conflitos e posteriormente na escrita da história sobre o assunto. O objetivo assenta-se na proposta de compreensão do processo de resistência expressada nas narrativas e memórias registradas nos materiais estudados. Como caminho metodológico, traçou-se uma revisão bibliográfica do referencial teórico a partir de Del Priore (2016), que discute sobre o contexto do país durante a Cabanagem; uma ênfase especial para crônica intitulada O Rebelde de Souza (1863); Halbwachs (1968), autor consagrado no que tange o estudo sobre memórias, identidades e narrativas na escrita historiográfica, e Ricci (2007), autora de destaque acerca das lutas dos cabanos, bem como as diversas visões sobre estes sujeitos no decorrer da História. Conclui-se que a Cabanagem se encontra nas diversas memórias e narrativas que são ressignificadas em decorrência do tempo e de suas finalidades, bem como do ponto de análise tomada pelos caminhos da pesquisa.

PALAVRAS-CHAVE: Cabanos; Histórias, Memórias; Narrativas.

Biografia do Autor

Sandy Maria G. de Andrade, Universidade Federal do Acre

Licenciando em História pela Universidade Federal do Acre.

Diego Correia Machado , Universidade Federal do Acre

Mestrando em Educação pela Universidade Federal do Acre (UFAC).

Downloads

Publicado

2020-11-23

Como Citar

G. de Andrade, S. M., & Correia Machado , D. . (2020). UM CONTINGENTE MÓVEL: : CABANOS ENTRE HISTÓRIAS, MEMÓRIAS E NARRATIVAS. Das Amazônias, 3(2), 129–142. Recuperado de https://revistas.ufac.br/index.php/amazonicas/article/view/3475